Dados do Trabalho


Título

Avaliação através de exames sem contraste para realização de TAVi em idoso com doença renal crônica: relato de caso

Introdução

A prevalência crescente da estenose aórtica (EAo) é decorrente do aumento da expectativa de vida e envelhecimento da população. Atualmente, a causa mais comum é a calcificação aórtica, que acomete principalmente idosos. O tratamento transcateter é uma opção à cirurgia em pacientes com alto risco cirúrgico, caso de muitos pacientes idosos devido às comorbidades que possuem.

Descrição do Caso

J.A.M, masculino, 82 anos. Apresenta estenose aórtica importante (velocidade de pico: 3,94; gradiente sistólico máximo: 61 e médio: 37; área valvar: 0,92; índice velocidade doppler: 0,23) e sintomática, com indicação de tratamento invasivo,  porém sem condição clinica para cirurgia convencional. Apresenta também sarcopenia e fragilidade, miocardiopatia isquêmica, doença renal crônica não-dialítica (Cr basal 2,03; Cl 35), DM 2, doença vascular periférica.

Devido à doença renal, a investigação por exames de imagem para avaliar a possibilidade de implante por cateter de bioprótese valvar aórtica (TAVI) foi realizado através de métodos sem a utilização de contraste iodado (RNM cardiovascular e abdominal; angioRNM da aorta torácica e abdominal e artérias ilíacas; USG doppler da aorta, artérias ilíacas, carótidas e vertebrais; USG doppler MMII; angioTC com escore de cálcio). Os exames revelaram a factibilidade da TAVI, por via femoral.

O procedimento foi realizado sem intercorrências. Ecocardiograma de controle evidenciou endoprótese aórtica com aspecto e movimentação normal dos folhetos; presença de 2 jatos de refluxo paraprotético de grau discreto; gradiente máximo: 31 e médio: 13. A função renal apresentou discreta piora um dia após o procedimento (Cr 2,43; Cl 28), o que é esperado devido ao uso de contraste iodado, ainda que em pequena quantidade. Porém, através de hidratação parcimoniosa, a função renal voltou ao seu nível basal (Cr 2,01; Cl 35).

Hipótese(s) Diagnóstica(s)

Até o momento, a avaliação pré-TAVi é comumente realizada através de angiografia invasiva das coronárias e angiotomografia. A utilização de exames de imagem sem contraste iodado (RNM, USG) torna viável a avaliação prévia e a realização do procedimento em pacientes com doença renal crônica.

Conduta(s) Adotada(s)

Realização de exames de imagem sem contraste para avaliar possibilidade de realização de TAVI em idoso com doença renal crônica.

Conclusões

A realização de exames de imagem sem contraste é viável e apropriada para a avaliação de pacientes candidatos a TAVi, desde que sejam descritos todas as informações e medições relevantes da raiz da aorta e das vias de acesso.

Palavras chave

Área

Tema Livre

Instituições

Hospital Israelita Albert Einstein - São Paulo - Brasil

Autores

NATALIA SOUZA PAES MENDONCA, Antônio Carlos Bacelar Nunes Filho