Dados do Trabalho


Título

Título: Prevalência e Implicações Clínicas das Síndromes Geriátricas em Idosos Cardiopatas

Introdução e/ou Fundamentos

As síndromes geriátricas são condições de saúde complexas, com etiologia multifatorial, prevalentes entre idosos, que não se enquadram em categorias de doenças definidas (OMS, 2015). Entre as principais síndromes geriátricas, destacam-se: fragilidade, comprometimento cognitivo, depressão, declínio funcional, quedas e incontinência. Nas idades avançadas, a frequente coexistência de tais condições com doenças cardiovasculares, multimorbidades e inevitável polifarmácia aumentam a complexidade do manuseio do cardiopata idoso. As Doenças Cardiovasculares são fator de risco independente para ocorrência síndromes geriátricas, e da mesma forma, as síndromes geriátricas podem contribuir para o início ou progressão da DCV.

Métodos

Estudo prospectivo, observacional, realizado com pacientes do ambulatório de cardiogeriatria do IDPC. Os pacientes foram avaliados no período de 30 dias, sendo coletados dados da história clínica, exame físico e exames bioquímicos, com o objetivo de avaliar a associação entre doenças cardiovasculares e grandes síndromes geriátricas.

Resultados

Foram analisados 96 pacientes, sendo 53 do sexo feminino (55,2%) e 43 do sexo masculino (44,8%) e média de idade de 79 anos; Foi aplicada a escala FRAIL para avaliar fragilidade e constatados 39 idosos robustos (40,6%), 27 frágeis (28,1%) e 30 pré-frágeis (31,2%); 09 pacientes (9,3%) eram dependentes para ABVDS; 37 (38,5%) apresentavam Incontinência Urinária; 11 (11,45%) Depressão; 82 (85,4%) Polifarmácia; 22 (22,9%) Quedas e 15 pacientes (15,6%) apresentavam Déficit Cognitivo. As principais comorbidades acometidas neste grupo de pacientes foram: HAS em 87 pacientes (90,6%); DLP 70 (72,9%), DM e IC 45 (46,8%), DAC 40 (41,6%); FA 34 (35,4%); AVE 19 (19,7); Valvopatia 16 (16,6%) e DAOP 9 (9,3%).

 

Discussão

Conclusões

O objetivo final do tratamento das doenças cardiovasculares em idosos é reduzir sintomas e prevenir eventos relacionados às DCVs, melhorando a qualidade de vida, estado funcional e sobrevida dos pacientes. Para maximizar os benefícios nos desfechos relacionados às doenças cardiovasculares, os cardiologistas também devem avaliar a carga de condições não cardiovasculares concomitantes, polifarmácia e as grandes síndromes geriátricas.

Palavras Chave

Área

Tema Livre

Instituições

Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia - São Paulo - Brasil

Autores

PEDRO ANTONIO WAND-DEL-REY, FELICIO SAVIOLI NETO, NEIRE NIARA ARAUJO, ANDERSON LISBOA CASTRO, BRUNO GUARNIERI, ALICIA CASTRO, MARIANA RIGOLO, GABRIELA MANICA