Dados do Trabalho


Título

Relação entre qualidade de vida através do questionário Kansas City de cardiomiopatia e o índice de massa corpórea em idosos hospitalizados.

Introdução e/ou Fundamentos

A insuficiência cardíaca (IC) é uma síndrome complexa que contribui para diminuição na qualidade de vida. Esta é impactada pela elevação do índice de massa corpórea (IMC), uma vez que indivíduos obesos apresentam menor capacidade ao exercício e de realização de atividades básicas de vida diária. Dessa forma, este estudo teve como objetivo avaliar a qualidade de vida (QV) dos pacientes idosos, por meio do questionário Kansas City de cardiomiopatia (KCCQ) e sua relação com o índice de massa corpórea.

Métodos

Estudo transversal observacional, composto por idosos ≥ 65 anos internados em serviço de referência em cardiologia do Estado de Pernambuco, entre o período de agosto de 2020 e setembro de 2021. Para o diagnóstico de obesidade, foi utilizado o Índice de Massa Corporal, com baixo peso representado por IMC < 22kg/m², eutrófico IMC entre 22 e 27 kg/m² e sobrepeso IMC > 27 kg/m². KCCQ foi feito considerando QV quinze dias antes do internamento, com o escore de 0-49 considerado como QV ruim, e 50-100 como boa QV.

Resultados

Foi estudado um total de 165 pacientes. A idade variou de 65 a 91 anos, com média de 73 ± 5,6 anos, sendo 46,1% pacientes do sexo feminino. Dentre comorbidades avaliadas, 89% eram hipertensos, 79,5% apresentavam doença arterial coronariana, 45,5% eram diabéticos, 72,1% possuíam circunferência abdominal aumentada e 17,1% apresentavam fibrilação atrial. Quanto à estratificação da fração de ejeção (FE) do ventrículo esquerdo, verificou-se FE reduzida em 40,24%, FE pouco reduzida em 12,80% e FE preservada em 46,95%, com média da FE do ventrículo esquerdo de 46,72. O escore médio do IMC foi de 26,57 ± 3,99. Baseado no IMC, 10,3% tinham baixo peso, 48,49% eram eutróficos e 41,21% apresentavam sobrepeso. Quanto ao KCCQ, o escore médio foi de 54,77 ± 19,71. Observou-se que apresentavam qualidade de vida ruim/muito ruim 40% dos pacientes com baixo peso, 27,7% dos eutróficos e 36,2% dos com sobrepeso/obesos. Realizada a associação estatística entre IMC e KCCQ foi demonstrado p= 0,002. De acordo com o cruzamento, pacientes eutróficos apresentaram maior média do KCCQ com 59,99, seguidos pelos pacientes com baixo peso, com média de 53,93 e por último, sobrepeso/obesos, com média de 50,02.

Discussão

.

Conclusões

Conforme a amostra estudada, foi observado que pacientes com sobrepeso/obesidade apresentaram um pior escore médio de qualidade de vida, em contrapartida aos eutróficos, os quais obtiveram melhor escore médio de qualidade de vida.

 

Palavras Chave

Insuficiência cardíaca; Obesidade; Índice de massa corporal.

Área

Tema Livre

Autores

MARIA EDUARDA BORGES MATIAS, Ellen Beatriz Sobral , CAROLINA JERÔNIMO MAGALHÃES , Jessica Myrian de Amorim Garcia , Francisco Bandeira