Dados do Trabalho


Título

Custos com internação em hospital do SUS com idosos de faixa etária a partir de 60 anos com Insuficiência Cardíaca no período de 2019 a 2023 no Brasil.

Introdução e/ou Fundamentos

O envelhecimento acomete a funcionalidade cardíaca de modo a haver alterações estruturais nos miócitos por hipertrofia celular, anormalidades no sistema de contração e excitação,deficiência na utilização da energia,além de alteração na resposta neuro-humoral do coração.Tudo isso corrobora para que a doença cardíaca,em especial a Insuficiência Cardíaca (IC),seja mais incidente, em idosos. Deste modo, o objetivo é analisar a relação entre os números absolutos de internações de idosos e os custos pelo SUS no Brasil.

Métodos

O presente estudo trata-se de uma pesquisa epidemiológica ecológica,de série temporal,com análise da quantidade e do valor médio de internação pelo SUS com idosos acometidos por IC,entre o período de janeiro de 2019 a junho de 2023.Esses dados foram coletados do Sistema de Informação Hospitalares do SUS (SIH/SUS) da plataforma de dados públicos DATASUS. As variáveis de informação foram: regiões brasileiras,número de internações,valor médio de internação,idosos com faixa etária acima de 65 anos. 
 

Resultados

Pela análise dos dados coletados,referidos entre 2019 e 2023,o sudeste é a região com maior número de internação por IC,43,35% (264.947),ao passo que,a região norte é a que menos interna com 5,3%(32.373).A faixa etária que apresentou maiores números de internação foi em idosos maiores de 80 anos,na região sudeste foi de 43,64%(81.771),e no norte, 4,78%(8.963).O ano de 2022 teve o maior número de internação, totalizando 148.971.Em relação aos gastos do SUS com essas hospitalizações,o centro-oeste é a região com maior valor médio por internação (2.129,27); contrapondo o norte, com custo mais baixo (1.663,20) em reais. O Brasil apresentou o maior valor médio por internação no ano de 2022, com o custo médio de 2.100,63 reais. 

 

Discussão

O idoso ao ter maiores chances de desenvolver a IC tanto pela fisiologia humana do envelhecimento,quanto por condições e hábitos de vida por vezes inadequados,deve ser melhor assistido a fim de evitar ou agravar essa patologia cardíaca.Buscando evitar possíveis casos de negligência,o profissional médico deve estar apto a classificar o estágio da doença,a fim de garantir um melhor prognóstico aos pacientes com IC.

 

Conclusões

Diante do encontrado neste estudo, a inclusão cada vez maior de qualificação profissional, para que assim sejam feitos diagnósticos precoces e tratamentos efetivos, é crucial para tentar reduzir esses números absolutos não só de internações, mas também do gasto custeado pelo SUS com internações de idosos com IC em hospitais do Brasil.

 

Palavras Chave

Insuficiência cardíaca, idoso, internação.

Área

Tema Livre

Autores

JENNIFER CRISTIANA VICENTE DE LIMA, José Wagner de Lima , Patrícia Oliveira Gonçalves, Juliana Braga Rodrigues de Castro